Bolsonaro e presidente do Chile discutem queimadas na Amazônia

Os presidentes anunciaram que no dia seis de setembro os mandatários de países com território amazônico farão uma reunião para discutir política única de meio ambiente

Foto: Marcos Corrêa/PR

As queimadas na Amazônia Legal foram discutidas nesta quarta-feira (28) entre o presidente da República, Jair Bolsonaro, e o presidente do Chile, Sebastián Piñera, no Palácio da Alvorada.

O presidente chileno veio ao Brasil após participar como convidado da reunião dos países do G7, que discutiu as queimadas na região amazônica.  Bolsonaro disse que Piñera levou a posição do Brasil para o encontro realizado em Biarritz, na França. O G7 é formado por Estados Unidos, Alemanha, Japão, França, Reino Unido, Canadá e Itália – países mais industrializados do mundo.

“O que mais queremos é restabelecer a verdade sobre o que está acontecendo na Amazônia”, disse o presidente Jair Bolsonaro.

Piñera afirmou que muitos países querem colaborar com a preservação da Amazônia e que isso deve ser feito respeitando a soberania do Brasil. “Os países amazônicos, que são nove, entre os quais o mais importante em tamanho é o Brasil, que tem a soberania sobre a Amazônia. Isso há que se reconhecer sempre. Portanto, são eles os principais interessados e responsáveis em proteger e cuidar das florestas e da biodiversidade”, defendeu.

Reunião entre países

Bolsonaro e Piñera anunciaram que no dia seis de setembro os mandatários de países com território amazônico farão uma reunião para discutir uma política única de preservação do meio ambiente. O encontro deve ocorrer na cidade de Letícia, na Colômbia.

“Qualquer ajuda, como disse o Piñera, de forma bilateral, podemos aceitar. Até porque, no futuro, poderemos também ajudar um outro país que tenha um problema semelhante”.”, disse Bolsonaro.

O presidente ainda informou que aceitou a oferta do Chile de ceder quatro aeronaves para apoiar o combate aos focos de incêndio na região amazônica.

Declaração Conjunta

Após o encontro entre Bolsonaro e Piñera, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil divulgou uma declaração conjunta informando que os presidentes afirmaram a opinião comum de que os desafios ambientais devem ser tratados respeitando à soberania nacional.

“Os presidentes afirmaram sua opinião comum de que os desafios ambientais devem ser tratados respeitando a soberania nacional e ressaltaram a importância de implementar os mecanismos multilaterais existentes. Afirmaram que é valioso e importante buscar também formas de cooperação bilateral e apoio financeiro internacional para contribuir no combate aos incêndios e na proteção das florestas tropicais da Amazônia, compatíveis com as políticas nacionais e complementares aos mecanismos multilaterais. Reiteraram o direito ao desenvolvimento sustentável dos países e o direito de cada país ao uso racional e sustentável de seus recursos naturais, em harmonia com suas obrigações ambientais e com as necessidades de seus cidadãos, incluindo suas populações indígenas. Enfatizaram que as questões ambientais devem ser abordadas com base em conhecimento e evidência científica”.

Declaração na íntegra

Com informações da Assessoria de Comunicação

You may also like