Policiamento em Anápolis é modelo para o Brasil

Investimentos do Governo Municipal permitem uma melhor logística de proteção à comunidade

Por Portal Anápolis

Um trabalho conjunto do Governo do Estado, da Prefeitura e de outros parceiros, em Anápolis, resultou numa expressiva melhora nas estatísticas criminais do Município durante o ano de 2019.  O trabalho desenvolvido pelas polícias Civil e Militar, de forma harmônica, fez baixar, sensivelmente, os índices de violência, principalmente os chamados crimes contra o patrimônio, e, mesmo, os crimes contra a pessoa. Um dos pontos positivos foi a manutenção, e, em determinados casos, o aumento do programa denominado “Banco de Horas” (recurso do Tesouro Municipal para o custeio da remuneração a policiais que atuam nos dias de folga).

Outro fator preponderante para esses números positivos foi a implantação da Força Tática (10 viaturas com três policiais armados em cada uma delas, custeados, integralmente, com dinheiro do Município), uma espécie de batalhão de elite que fica 24 horas por dia, sete dias na semana e trinta dias no mês, à disposição da sociedade anapolina.

Anúncio

Isto, sem contar que Anápolis é o núcleo central do Terceiro Comando Regional da Polícia Militar, com jurisdição sobre vários outros municípios. No decorrer de 2019 diversas e importantes melhorias operacionais e materiais foram introduzidas na PM, em Anápolis, com o objetivo de assegurar mais tranquilidade aos munícipes. Para 2020, há o indicativo da instalação de mais dezenas de câmeras de videomonitoramento por diferentes regiões da Cidade, assim como outros investimentos, inclusive para o Corpo de Bombeiros que, também, faz parte da política de segurança.  

Os números

De acordo com relatórios Polícia Civil, 2019 terminou com números expressivos nas unidades locais. A produtividade, no ano passado, resultou em cerca de 4.200 inquéritos instaurados. Destes, 2.913 tiveram as autorias definidas e foram enviados ao Poder Judiciário. Registraram-se, ainda, 142 sem autoria. Ressalte-se que, somente, a Central de Flagrantes registrou mais de dois mil Autos de Prisão nos plantões realizados ao longo do ano.

Desta forma, os índices revelam que houve considerável redução da criminalidade no Município. No caso dos crimes contra a vida, houve uma redução de 13,52%, considerando-se o período entre 1º de janeiro e 15 de dezembro (2019), em relação ao mesmo período de 2018. Até, então, foram 96 homicídios, contra 111 em 2018. O Grupo de Investigação de Homicídios cumpriu 82 mandados de prisão em 2019 e 83 inquéritos com autoria definida foram remetidos ao Poder Judiciário.

Operacionalidade

Para o delegado Vander Coelho, titular do Grupo de Investigações de Homicídios, a Polícia Civil tem retirado das ruas pessoas com potencial para cometerem crimes de morte e/ou, de tentativas, e, quando eles, inevitavelmente, acontecem são investigados o mais rapidamente possível. Os números da Delegacia de Investigação de Crimes de Trânsito sinalizam a intensidade do trabalho desenvolvido pela Polícia Civil. A partir de março de 2019, a Delegacia iniciou a operação denominada “Direção Consciente” nas ruas da Cidade. Foram presos, em flagrante, cerca de 180 motoristas por dirigirem sob o efeito de álcool, em 36 operações. Nesse período foram instaurados 331 Inquéritos Policiais e 561 foram remetidos ao Poder Judiciário. A Polícia Civil anunciou que estas operações serão mantidas em 2020, com o objetivo de educar os condutores e, desta forma, buscar a redução dos números de acidentes e mortes no trânsito da Cidade. Este ano foram 55 vítimas fatais em acidentes de trânsito no Município. 

O balanço da Polícia Civil revela, ainda, que, na Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher, o número de prisões aumentou em 175% em 2019 na comparação com 2018. Foram 22 prisões este ano e oito no ano passado. Aquela especializada havia solicitado, até outubro, 280 medidas protetivas ao Poder Judiciário. Em 2018 foram 275 solicitações. Também, em 2019, foram instaurados 585 inquéritos policiais, com 284 deles remetidos ao Judiciário. Este ano, no mesmo período, foram instaurados 495 inquéritos policiais e 596 com autoria definida, remetidos ao Poder Judiciário.

Trabalho não menos importante foi feito, em 2019, pelo Grupo Especial de Repressão a Crimes Patrimoniais (GEPATRI). Os dados revelam que, 15 pessoas foram presas em flagrante e 31 mandados de prisão foram cumpridos. Ao todo, 49 inquéritos policiais foram instaurados e 61 foram remetidos ao Judiciário. No caso das drogas houve uma atenção especial da Polícia Civil. O Grupo de Repressão a Narcóticos autuou 29 pessoas em flagrante, cumpriu 10 mandados de prisão, instaurou 38 inquéritos policiais e remeteu 70 ao Poder Judiciário.

Avaliações

Para o delegado Pedro Caires, titular da 3ª Delegacia Regional de Anápolis, os números refletem o empenho e a dedicação de delegados, agentes e escrivães que, “mesmo com dificuldades, como o déficit de pessoal, não mediram esforços para cumprirem o dever de garantir a solução de crimes e evitarem diversos outros com prisões e apreensões”. 

O Prefeito Roberto Naves avaliou como altamente positiva a parceria entre o Governo Municipal e as polícias que atuam na região. Segundo ele, a ideia é aumentar-se em quantidade e em qualidade este projeto que é referência para outras cidades do Estado e, até, de outras unidades da Federação. Diversos municípios têm buscado subsídios do funcionamento da política de segurança em Anápolis, a fim de implantarem sistemas semelhantes em seus territórios.

You may also like